Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.26/6536
Título: Envelhecimento e saúde: uma análise de género
Autor: Fernandes, Ana Alexandre
Burnay, Rita
Gomes, Inês
Gil, Ana Paula
Marques, António Manuel
Botelho, Maria Amália
Data: Dez-2012
Resumo: O conceito de género tem vindo a ganhar importância na análise da equidade em saúde e nos cuidados de saúde por chamar a atenção para um tipo específico de iniquidade; aquela que resulta das desigualdades mais vastas, existentes entre mulheres e homens, sejam elas de natureza social, económica, cultural ou outra. A população considerada idosa (65+ anos) representa uma parcela significativa da população nos países desenvolvidos. Esta tendência foi intensificada com o declínio da natalidade ao longo da última década. A redução acentuada de nascimentos tem um impacto crescente na relação intergeracional. O aumento relativo dos 65+ é potenciado pelo decréscimo relativo de Jovens. Ao nível microdemográfico, o declínio da mortalidade tem tido maiores impactos nos últimos patamares etários com o crescimento da esperança de vida nas categorias etárias mais velhas. É principalmente nos grupos etários acima dos 65 anos que se registam maiores acréscimos de esperança de vida tendência que irá continuar manter-­‐se. O estado de saúde que se goza em idade mais avançada depende não só do que foi o capital de saúde construído ao longo de uma vida, mas também do contexto atual de vida do indivíduo, das suas competências, capacidades e recursos para promover e sua saúde, prevenir a doença ou minorar as consequências desta. O objetivo principal desta pesquisa sobre envelhecimento, saúde e género, consistiu em avaliar e analisar a relevância do género no estado de saúde e nas perceções e práticas de saúde da população portuguesa com idade igual ou superior a 50 anos. Propusemo-­‐nos conhecer o estado de saúde e as práticas de saúde da população que envelhece e como é que homens e mulheres gerem a sua saúde, de que forma contribuem para a promover e como contrariam as adversidades que ocorrem ao longo do seu percurso de vida. Para a concretização do estudo foram utilizadas duas fontes de dados: i) Inquérito Nacional de Saúde (INS) e ii) entrevistas semiestruturadas. Este relatório sintetiza os resultados da pesquisa e é constituído por duas partes. A primeira parte apresenta a fundamentação teórica com revisão bibliográfica e o estado da arte assim como as questões de metodologia. Na segunda parte são apresentados e analisados os resultados. Procurámos identificar as relações existentes entre as características demográficas, sociais e económicas de mulheres e homens, e os respetivos estados de saúde, estilos de vida e utilização de cuidados de saúde. O bloco de variáveis demográficas e sociais foi analisado enquanto variáveis independentes, explicativas das diferenças encontradas no estado de saúde e na utilização dos cuidados de saúde. A análise dos dados do Inquérito Nacional de Saúde (INS), na sua 4ª versão (2005/2006) evidencia piores condições socioeconómicas das mulheres e também piores condições de saúde com mais estados mórbidos e uma pior saúde subjetiva. Por seu lado os homens 50+ anos apresentam melhores estados de saúde, nas mesmas idades apesar, avaliações mais positivas da sua saúde, menor sofrimento psicológico associado a práticas consideradas menos salutogénicas. A categoria etária dos 75-­‐80 anos representa uma idade charneira de passagem à “idade da velhice”. As entrevistas em profundidade revelaram que a partir de limiares de idade avançada esbatem-­‐se as diferenças entre homens e mulheres no que respeita às perceções de saúde.
URI: http://hdl.handle.net/10400.26/6536
Aparece nas colecções:IPS - ESS - DCSH - Relatórios técnicos

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Envelhecimento, Saúde e Género-RF.pdf4,34 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.