Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.26/7853
Título: Estudo de regiões de susceptibilidade para o cancro do cólon e recto familiar do tipo x: análise de genes candidatos e de ganhos/deleções em tumores
Autor: Pereira, Gonçalo Filipe de Almeida
Orientador: Albuquerque, Cristina
Palavras-chave: Cancro do cólon e recto familiar tipo X
HSPA13
SAMSN1
TPP2
Data de Defesa: Set-2014
Editora: Escola Superior de Saúde Egas Moniz
Resumo: O cancro do cólon e recto familiar do tipo X (FCCTX) define as famílias que preenchem os critérios de Amesterdão, mas nas quais não é identificada mutação germinal nos genes de reparação de erros de DNA do tipo mismatch (MMR) e cujos tumores não apresentam instabilidade de microsatélites. A sua causa molecular não é ainda conhecida. O presente trabalho teve como objectivo avaliar o envolvimento de genes localizados em duas regiões de susceptibilidade previamente identificadas (13q32-33 e 21q11) e o esclarecimento das perdas de heterozigotia (LOH) frequentes em 13q32-33 em tumores FCCTX, através de uma análise do número de cópias (copy number). Pretendeu-se ainda estudar o gene BMPR1A como gene de susceptibilidade para o FCCTX. Foi efectuada análise de mutações germinais dos genes HSPA13, SAMSN1 e BMPR1A em 15 indivíduos índex das famílias FCCTX e 2 familiares de uma das famílias. Foi ainda realizada, a nível germinal, a pesquisa de transcritos aberrantes dos genes TEX30 e SAMSN1 e quantificada a expressão destes e do HSPA13 por qPCR em 3 indivíduos índex e 6 familiares de uma das famílias FCCTX. Da mesma forma procedeu-se também ao estudo da expressão diferencial dos transcritos alternativos do gene TPP2. Foi ainda avaliada a eventual patogenicidade de três mutações previamente detectadas no gene SLC10A2. Não foram detectadas quaisquer mutações nem alterações de expressão potencialmente patogénicas nos genes estudados. As análises in silico e de segregação com a doença sugerem no entanto, uma mutação no gene BMPR1A e duas mutações no gene SLC10A2, para as quais são necessários estudos adicionais para concluir sobre a sua patogenecidade. Um dos transcritos do gene TPP2 apresenta expressão diferencial entre amostras, o que sugere a continuação do seu estudo. A LOH frequente em 13q corresponde a ganho/amplificação. Em conclusão, o presente estudo exclui os genes localizados em 21q11, HSPA13 e SAMSN1, e em 13q32-33, TEX30, como possíveis genes candidatos para o FCCTX. Não é ainda possível excluir o gene SLC10A2 nem o gene TPP2. Mutações no BMPR1A deverão ser raras em FCCTX. Parece existir um elevado grau de instabilidade genómica em lesões precoces FCCTX com ganhos/amplificações frequentes.
Descrição: Dissertação para obtenção do grau de Mestre em Biologia Molecular em Saúde
URI: http://hdl.handle.net/10400.26/7853
Aparece nas colecções:EM - ESSEM - Biologia Molecular em Saúde

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Pereira, Gonçalo Filipe de Almeida.pdf2,79 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.