Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.26/6758
Registo completo
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.authorFerreira, Jessica-
dc.date.accessioned2014-10-01T13:54:34Z-
dc.date.available2014-10-01T13:54:34Z-
dc.date.issued2014-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10400.26/6758-
dc.description.abstractO presente estudo incide sobre a problemática do parque edificado deixado ao abandono e/ou em estado de degradação, no contexto urbano. Propondo, como solução à reativação desses espaços, o uso do potencial das micro habitações. Em Portugal, tem-se assistido a um acréscimo acentuado de edifícios em processo de degradação, ou mesmo em estado de ruína, que permanecem nas cidades como cicatrizes. Esta situação tem como motivações incapacidades financeiras, ou a inconsciência desmedida de construir sem quaisquer preocupações culturais e sociais do meio em que se inserem, resultando em construções desadequadas e, portanto, desinteressantes. Além de se verificar uma perda do património histórico, nem todos estes edifícios são necessariamente antigos. A estes, junta-se um grande número de novas construções, que proliferaram numa época que assim o permitiu, mas que nunca até hoje chegaram sequer a ser habitadas, ou até mesmo concluídas. Todos eles são espaços que descaracterizam as cidades, e constituem, por vezes, problemas de saúde pública. Hoje, com o agravamento da situação da conjuntura económica do país, a diminuição de população, e a consequente falta de verbas e compradores para a requalificação e reabilitação das cidades, surge a necessidade de soluções alternativas, económicas e sustentáveis. Características que são o mote na construção contemporânea. Neste sentido, as micro habitações surgem como resposta a todas estas necessidades. Pela sua pequena dimensão, por envolver menos custos construtivos e de manutenção, por ser um exemplo sustentável, e pela sua capacidade de adaptabilidade e flexibilidade, são habitações que se adequam a diferentes contextos sociais, culturais e económicos, bem como, a diferentes territórios. Procurar-se-á, assim, comprovar que a micro habitação tem potencial para requalificar e reabitar os diferentes géneros de vazios urbanos, através de uma proposta projetual baseada num edifício real e que se enquadra na problemática acima identificada.por
dc.language.isoporpor
dc.rightsopenAccesspor
dc.subjectvazios urbanospor
dc.subjectreabitarpor
dc.subjecthabitação mínimapor
dc.subjectflexibilidade/adaptabilidadepor
dc.title[Re] Habitar a cidade - micro -habitações que se apropriam de edifícios devolutos, degradados e/ou abandonados.por
dc.typemasterThesispor
thesis.degree.disciplineDesignpor
thesis.degree.levelMestrepor
thesis.degree.nameMestrado em Design de Interiorespor
Aparece nas colecções:ESAD - INT - Teses / Dissertações

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Inside In - Micro habitações que se apropriam de edifícios devolutos, degradados e_ou abandonados__Jessica Ferreira_.pdfDocumento principal160,66 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.