O Seu Saber Ocupa um Lugar! DSpace

Repositório Comum >
IPP - Instituto Politécnico de Portalegre >
IPP - C3i – Coordenação Interdisciplinar para a Investigação e Inovação >
IPP - C3i - Teses de Doutoramento >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/123456789/2339

Título: Vinculação e temperamento afetivo em jovens adultos
Autor: Cordeiro, Raul
Issue Date: 9-Jul-2012
Resumo: Este estudo teve como objetivo estudar a relação entre os padrões de vinculação (parental e amorosa) e o temperamento afetivo (depressivo, ciclotímico, hipertímico, irritável e ansioso) conceptualizado em temperamentos estáveis (depressivo e hipertímico) e instáveis (ciclotímico, irritável e ansioso) reunindo dados que nos permitiram perceber se padrões de vinculação seguros se correlacionam positivamente com temperamentos estáveis. A amostra foi constituída por 760 estudantes do curso de licenciatura em enfermagem provenientes de quatro escolas do sistema de ensino superior politécnico português. Os dados foram recolhidos por questionário de autopreenchimento, formado por várias medidas: variáveis sóciodemográficas, a Escala de Temperamento de Memphis, Pisa, Paris e San Diego (TEMPS-A), validação para a população portuguesa (Akiskal & Akiskal, 2005a; Figueira et al., 2008), o Questionário de Vinculação ao Pai e à Mãe – QVPM, Versão IV (Matos & Costa, 2001a), o Questionário de Vinculação Amorosa – QVA, Versão III (Matos & Costa, 2001b). Os participantes são maioritariamente do género feminino (83,3%) com uma média de idades de 21,3 anos, vivem maioritariamente num agregado familiar com pai e mãe, 81,7% têm irmãos e 60,3% mantêm uma relação de namoro. A partir dos dados dos fatores de vinculação parental (pai e mãe) e de vinculação amorosa foram construídos padrões de vinculação (seguro, preocupado, desinvestido e amedrontado). De entre os cinco temperamentos afetivos (depressivo, hipertímico, ciclotímico, irritável e ansioso), o temperamento afetivo dominante para a totalidade da população estudada foi o temperamento depressivo. Apenas o temperamento irritável mostrou não estar associado ao género. Não se encontraram associações entre os temperamentos afetivos e os progenitores com quem os inquiridos coabitam ou com a existência de irmãos, revelando apenas o temperamento ciclotímico uma associação com a existência de uma relação de namoro. ix Os resultados evidenciam associações significativas entre os temperamentos instáveis (ciclotímico, irritável e ansioso) e o padrão de vinculação desinvestido da vinculação parental (pai e mãe). Na vinculação na relação com a mãe, o temperamento depressivo (estável) e os temperamentos instáveis (ciclotímico, irritável e ansioso) revelaram-se dominantes entre o padrão desinvestido e o hipertímico (estável) entre os preocupados. Na vinculação na relação com o pai, o temperamento depressivo (estável) e os temperamentos instáveis (ciclotímico, irritável e ansioso) revelaram-se dominantes entre o padrão desinvestido e o hipertímico (estável) entre os seguros. No que se refere à vinculação amorosa os resultados evidenciaram associações significativas quer entre temperamentos estáveis ou instáveis e o padrão preocupado sugerindo uma associação pouco clara entre temperamentos (do ponto de vista da sua estabilidade) e os indivíduos com este padrão de vinculação.
Arbitragem científica: yes
URI: http://comum.rcaap.pt/handle/123456789/2339
Appears in Collections:IPP - C3i - Teses de Doutoramento

Files in This Item:

File Description SizeFormat
TeseDoutoramentoRaulCordeiro.pdf4,59 MBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE
© 2009 - REPOSITÓRIO COMUM - Comentários - Statistics