O Seu Saber Ocupa um Lugar! DSpace

Repositório Comum >
IDN - Instituto da Defesa Nacional >
IDN - Revista Nação e Defesa >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://comum.rcaap.pt/handle/123456789/1234

Title: Raymond Aron and the transatlantic crisis, 1945-1966
Authors: Malis, Christian
Keywords: Pensamento estratégico
Estratégia militar
Estrategas
Relações internacionais
Crise
Atlantismo
Armas nucleares
História
Canal de Suez
Europa
França
Alemanha, antes de 1949 e depois de 1989
EUA
Issue Date: 2005
Publisher: Instituto da Defesa Nacional
Series/Report no.: 3ª Série;Nº 111 (Verão 2005)
Abstract: Para analisar a percepção de Aron acerca das crises transatlânticas entre 1945 e 1966, o foco deve ser posto sobre três “pommes de discorde” principais durante este período – a questão do rearmamento alemão (1945-1954), a crise do Suez (1956), o Grande Debate Nuclear (1959-1964). Aron foi desde o início favorável ao rearmamento da Alemanha, apesar da longa relutância oficial francesa, principalmente porque o considerou inevitável para a defesa militar da Europa, e porque tratar a Alemanha como um verdadeiro aliado era a melhor maneira de evitar que a Alemanha ficasse mais perto da URSS para obter a reunificação. Isso porque finalmente, após longa hesitação, apoiou a CED, opondo-se assim a de Gaulle. O Suez alargou realmente a abertura entre Aron e de Gaulle, e no caso de Aron esta discrepância é enraizada na análise muito profunda não somente do papel da França no jogo transatlântico, mas também da natureza das armas nucleares. Aron extraiu da crise do Suez diversas lições: 1 – “a aliança não escrita entre os dois super-poderes contra a Guerra Total” era mais importante, sob o ponto de vista e prática dos EU, do que a solidariedade com aliados europeus. 2 – A estratégia massiva de retaliação deixa o oeste desarmado face “às ameaças secundárias” nas suas fronteiras. 3 – As armas atómicas não seriam suficientes para restaurar o poder anterior de França ou da Grã-Bretanha: um esforço europeu é necessário. Durante o Grande Debate Nuclear, a nova política militar francesa, oficialmente expressa por de Gaulle no seu discurso na Ecole Militaire em Novembro 1959, colidiu directamente na renovada estratégia e política militar de Kennedy e McNamara. Aron tentou jogar o papel de um ombudsman entre Kennedy e de Gaulle, em vão: se ele achava a doutrina militar Francesa da “Força de frappe” anacrónica, e apoiava a estratégia da “resposta flexível” de McNamara que restaurou a relação clausewitziana entre estratégia e política, advogou também a partilha de tecnologia nuclear pelos EU com os seus aliados. De facto, Aron como de Gaulle perseguiu a vontade de restaurar a independência estratégica da Europa, na sua mente, o melhor meio para alcançar um dia um acordo negoc iado e a reuni f i cação do Ve lho Cont inent e . Mas e s t e obj e t ivo pareceu-lhe alcançável somente a médio-longo prazo, e antes através da unificação europeia do que por estratégias puramente nacionais.
Peer Reviewed: yes
URI: http://comum.rcaap.pt/handle/123456789/1234
ISSN: 0870-757X
Publisher version: http://www.idn.gov.pt/publicacoes/consulta/NeD/NeD111/NeD111.pdf
Appears in Collections:IDN - Revista Nação e Defesa

Files in This Item:

File Description SizeFormat
NeD111_ChristianMalis.pdf196.08 kBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE
© 2009 - REPOSITÓRIO COMUM - Comentários - Statistics