Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.26/9498
Título: A mulher mastectomizada : o enfermeiro de reabilitação na promoção do autocuidado
Autor: Camões, Maria João
Palavras-chave: Mulher mastectomizada
Enfermagem de reabilitação
Autocuidado
Data de Defesa: 2014
Resumo: O cancro da mama e os tratamentos que lhe estão associados afetam a condição de saúde física, psicológica e social da mulher, com compromisso do autocuidado. No âmbito do seu exercício profissional compete aos profissionais de enfermagem, e particularmente aos da área de enfermagem de reabilitação a promoção do autocuidado no sentido de promover o bem-estar e qualidade de vida. Objetivos: conhecer as intervenções de enfermagem de reabilitação implementadas à mulher submetida a mastectomia; identificar as principais dificuldades encontradas pelos enfermeiros na sua implementação; analisar as sugestões dos enfermeiros de reabilitação relativamente às intervenções implementadas e refletir sobre o papel da enfermagem de reabilitação como meio de promoção da independência da mulher após cirurgia à mama por doença oncológica. Método: estudo qualitativo, exploratório e descritivo, recorrendo-se a uma amostra intencional constituída por nove enfermeiros de reabilitação. Para a colheita de dados utilizou-se a entrevista semiestruturada, sendo os dados submetidos à análise de conteúdo segundo Bardin (2013). Dessa análise emergiram as seguintes categorias: identificação das necessidades, fatores dificultadores no processo do autocuidado, intervenções promotoras do autocuidado e avaliação das intervenções. Resultados: concluiu-se que os enfermeiros procedem à identificação inicial das necessidades da mulher mastectomizada através: da observação e a anamnese. A comunicação terapêutica surge como uma estratégia de identificação dessas necessidades durante o internamento. Os principais fatores dificultadores no processo do autocuidado identificados foram a progressão da doença, a dor, a diminuição da amplitude de movimentos da articulação glenoumeral, o desconhecimento sobre a doença e a formação profissional dos restantes elementos da equipa de enfermagem. Para promoverem o autocuidado os enfermeiros instituem intervenções autónomas e resultantes de prescrições. A avaliação dessas intervenções é feita por meio da observação, da adaptação demonstrada e pelo domínio demostrado no desempenho de competências instrumentais pelas utentes. Conclusões: A promoção do autocuidado da mulher mastectomizada exige um acompanhamento no continuum do processo saúde doença.
URI: http://hdl.handle.net/10400.26/9498
Designação: Enfermagem de Reabilitação
Aparece nas colecções:ESEP - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
A Mulher Mastectomizada-O Enfermeiro de Reabilitação na Promoção do Autocuidado.pdf1,27 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.