Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.26/9084
Título: Factores que influenciam os enfermeiros na adoção de estratégias não farmacológicas para o controlo da dor do recém-nascido
Autor: Correia, Cristina Isabel
Palavras-chave: Dor
Recém-nascido
Controlo da dor
Terapêutica não farmacológica
Data de Defesa: 2011
Resumo: A dor é um fenómeno universal cuja abordagem é mutável de acordo com a cultura onde o fenómeno ocorre. As evidências demonstram que o recém-nascido é hiperálgico. E quando este se encontra doente está menos apto a modular as respostas fisiológicas de stresse e, consequentemente, a manter a homeostasia (Batalha, 2010). São inúmeras as causas que podem influenciar a existência e a intensidade da dor. As medidas não farmacológicas dão a possibilidade aos enfermeiros de planearem e executarem múltiplas intervenções de enfermagem de carácter autónomo cujo objetivo é controlar a dor do recém-nascido. Quando essas intervenções são corretamente implementadas promovem o desenvolvimento infantil mais harmonioso, apesar das condicionantes que cada recém-nascido experimenta. O presente estudo obedeceu ao paradigma qualitativo e optámos por um desenho de carácter descritivo e transversal. Procurámos compreender quais os fatores que influenciam os enfermeiros da neonatologia do Centro Hospitalar Tâmega e Sousa na adoção de estratégias não farmacológicas para controlo da dor do recém-nascido. A recolha de dados foi efetuada com recurso a entrevista semi-estruturada presencial, face a face e individual. A seleção dos entrevistados obedeceu a critérios de inclusão e na relação com os entrevistados cumprimos os pressupostos éticos da investigação. A análise dos dados foi efetuada com recurso à análise de conteúdo, conforme defendido por Bardin (2009). Os resultados obtidos sugerem que fatores como a valorização da dor, o conhecimento das manifestações de dor do recém-nascido, os conhecimentos que os enfermeiros possuem acerca das medidas não farmacológicas bem como fatores relacionados com a existência de protocolos, disponibilidade de recursos, a formação e as variáveis organizacionais condicionam os enfermeiros na decisão de implementar medidas não farmacológicas. Pensamos que ao clarificar estas condicionantes poderemos contribuir para a melhoria da qualidade dos cuidados de enfermagem prestados à população neonatal.
URI: http://hdl.handle.net/10400.26/9084
Designação: Mestrado em Enfermagem de Saúde Infantil e Pediatria
Aparece nas colecções:ESEP - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Tese de Mestrado - Cristina Correia.pdf1,58 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.