Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.26/7745
Título: Métodos de aproximação de dados experimentais do comportamento mecânico da pele
Autor: Ribeiro, Ana
Bento, Raquel
Teodoro, Filomena
Silva, Paula
Figueiredo–Pina, Célio
Palavras-chave: Comportamento mecânico da pele
Dor
Ensaios de indentação
Data: Fev-2015
Resumo: Para simular numericamente o contacto entre equipamentos e a pele é necessário possuir equações que reproduzam satisfatoriamente o comportamento mecânico da pele havendo também a necessidade de conhecer os limites de aplicação de carga na pele para segurança e conforto do utilizador final. Tendo em conta a variabilidade do comportamento mecânico da pele é desejável que a determinação dos coeficientes destas mesmas equações e os limites de aplicação de carga sejam baseadas em resultados experimentais. O comportamento mecânico da pele depende do local onde ocorre o contacto, do género e idade do individuo entre outros fatores, bem como dos parâmetros de teste utilizados o que torna difícil a obtenção destes coeficientes e limites. O objetivo deste estudo é verificar se é possível reproduzir o comportamento mecânico da pele efetuando a regressão dos dados experimentais e verificar se os limites de aplicação de carga em segurança e conforto se mantêm estáveis para um grupo de indivíduos.Com este objetivo realizou-se um teste de indentação que permite obter a curva força vs deformação em que o máximo atingido é quando a dor máxima é alcançada e onde também é registado o instante onde o limiar da dor ocorre (inicio da dor). O teste foi efetuado num ponto específico do antebraço, com um indentador de ponta esférica, com diâmetro de 5mm, a uma velocidade de 1mm/s em oitenta (80) indivíduos saudáveis, com idades compreendidas entre os 20 e os 28 anos, 40 mulheres e 40 homens. Verifica-se uma boa aproximação aos dados experimentais com a utilização quer de uma regressão exponencial quer de uma regressão de potência. No entanto os valores dos coeficientes de ambas as regressões têm uma dispersão elevada, não sendo recomendável a utilização dos mesmos valores para todos os indivíduos. Também se avaliou o comportamento da força e a deformação no limiar da dor e a na dor máxima suportável. Consegue-se verificar que comportamentos distintos entre géneros, quer em força quer em deformação. Verifica-se também que o rácio força no limiar da dor versus força para dor máxima ronda os 30% para ambos os géneros, com uma dispersão significativa, enquanto o rácio deformação no limiar da dor versus deformação para dor máxima ronda os 70% para ambos os géneros, com dispersão menor que a anterior. É agora necessário efetuar este estudo para outros parâmetros de teste e para outros locais para validar os resultados desta experiencia.
Descrição: Com o apoio RAADRI.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.26/7745
Aparece nas colecções:IPS - ESTS – DEM - Comunicações em congressos

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
paper-cp-16-04.pdf583,25 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.