Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.26/7166
Título: Análise custo-efetividade da intervenção coronária percutânea diferida versus efetuada com base na avaliação da fração de fluxo de reserva coronária
Outros títulos: Cost-effectiveness analysis of differed versus performed percutaneous coronary intervention based on fractional flow reserve evaluation
Autor: Munguambe, Vanda
Pereira, Ernesto
Raposo, Nuno
Palavras-chave: Economia em saúde
guia de pressão
intervenção coronária percutânea
fração de reserva coronária
análise custo-efetividade
Data: 28-Nov-2014
Citação: Munguambe,V., Pereira,E., Raposo,N. Análise custo-efetividade da intervenção coronária percutânea diferida versus efetuada com base na avaliação da fração de fluxo de reserva coronária. Salutis scientia. 2014; 6: 8-22.
Resumo: Introdução: Actualmente a intervenção coronária percutânea (ICP) é o tratamento de eleição da cardiopatia isquémica, com indicação duvidosa em lesões intermédias, recomendando-­‐se a avaliação da fração do fluxo de reserva coronária (FFR). Em Portugal desconhece-­‐se o impacto económico desta intervenção. Objetivo: Realizar, na perspetiva do hospital, uma avaliação de custo-­‐efetividade da recomendação para efetuar ou diferir ICP baseada na medição dos valores de FFR em lesões coronárias intermédias, analisando a ocorrência de eventos cardíacos adversos major (ECAM), particularmente, reintervenção no vaso-­‐alvo (RVA), durante o seguimento de um ano. Métodos: Entre 2008 e 2010 analisaram-­‐se 258 doentes submetidos a coronariografia, com 347 lesões estudadas por FFR. Constituíram-­‐se dois grupos baseados nos valores de FFR em que <0,80 implicou angioplastia (Grupo A) e ≥0,80 diferiu a intervenção (Grupo B). De 2010 a 2013, foram seguidos 251 doentes pesquisando-­‐se ocorrência de ECAM. Calcularam-­‐se os custos diretos (por doente) relativos à intervenção inicial (procedimento e internamento), e ao seguimento. Resultados: Os custos iniciais foram 4041.47€ para o Grupo A e 2177.65€ para o Grupo B (Δ 1863.82€). O custo durante o seguimento foi de 361.81€ no Grupo A e 446.35€ no Grupo B (Δ 84.55€). O custo final foi 4403.12€ no Grupo A e 2624.00€ no Grupo B (Δ 1779.12€). A ocorrência de ECAM relativamente à taxa de RVA foi 1.6% nos dois grupos. Conclusão: O estudo comprovou que diferir ICP baseada no valor de FFR é custo-­‐efetiva em determinados doentes, não prejudicando os resultados em saúde e evitando custos desnecessários.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.26/7166
ISSN: 2183-4253
Aparece nas colecções:ESSCVP - Salutis Scientia – Revista de Ciências da Saúde

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Artigo Original de Investigação 1.pdf1,28 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.