Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.26/4625
Título: O clima de segurança na Casa Pia de Lisboa
Autor: Lages, Luís Manuel Cabral
Orientador: Pereira, Odete
Palavras-chave: Clima e cultura de segurança
Organização e percepção
Safety climate and culture
Organization and perception
MSHT
Data de Defesa: 2012
Editora: Escola Superior de Ciências Empresariais
Resumo: Em todos os tempos o mundo do trabalho revelou uma enorme complexidade. Apesar da grande evolução até aos nossos dias, no conhecimento dos riscos profissionais e da valoração da segurança nas organizações, são sentidas as dificuldades em criar um Clima de Segurança que respeite os direitos fundamentais dos trabalhadores e a dignidade humana. Existe ainda um enorme fosso entre a criação de conhecimento e a sua aplicação concreta em matéria de protecção da saúde higiene e segurança de quem trabalha. Assim procurámos realizar uma investigação que possa contribuir para ajudar a inverter esta tendência numa organização. O trabalho realizado, apresenta uma reflexão sobre o Clima de Segurança na Casa Pia de Lisboa, uma Instituição Pública de acolhimento de Crianças e Jovens em risco de exclusão social. O estudo do Clima de Segurança baseou-se na análise quantitativa de dados obtidos através da aplicação de um questionário, procurando a identificação dos pontos fortes e fracos do mesmo na Instituição. A amostra abrangeu 127 colaboradores dos diversos Centros de Educação e Desenvolvimento dispersos na área Geográfica de Lisboa e Santarém. Primeiramente são abordados os vários conceitos que se interligam e influenciam mutuamente, Clima e Cultura Organizacional, Clima e Cultura de Segurança e Política de Segurança. Seguidamente é apresentada a metodologia de investigação, o instrumento utilizado e o relato dos dados obtidos, onde podemos constatar que existe um Clima de Segurança pouco forte ou tendencialmente negativo. A média das diferentes subescalas do Clima de Segurança esteve compreendida entre os 3,48 (Comunicação para a Segurança) e 4,33 (Incidentes) na Segurança Física e 2,12 ( Stress Ocupacional) e 1,19 ( Assédio Moral) na Segurança Psicológica. Com base nos dados apurados são propostas um conjunto de melhorias, incidindo em mudanças internas sobretudo ao nível da comunicação, formação e informação dos colaboradores ao nível dos factores que podem influenciar a sua segurança no trabalho. Na parte final do trabalho apresentámos algumas recomendações, para que os actores principais na intervenção da Política de SHST, a Gestão de Topo, procure harmonizar as necessidades, atitudes e aspirações dos trabalhadores com as exigências do trabalho e se promova um Clima de Segurança forte e positivo.
Over the years the labor world has proved to be of an enormous complexity. In spite of an increasing awareness of professional risks and the growing concern over safety in organizations, it is still difficult to create a Safety Climate which takes into consideration the fundamental rights of workers and human dignity. There is a huge gap between knowledge and effective implementation of health and safety at work. We have, therefore, carried out a research on the subject in order to help reverse the current tendency in organizations. This assignment is an accurate reflection on the Safety Climate which exists at Casa Pia de Lisboa, a public institution for youngsters at risk of social exclusion. The study is based on the quantitative analysis/ interpretation of the data collected from a survey which was conducted to identify the strong and weak points of this climate. The sample covered 127 respondents of the several Centers of Education and Development spread over a wide geographical area - Lisboa and Santarém. This study starts with an approach to the various concepts which are connected and influence each other, Climate and Organizational Culture, Climate and Safety Culture and Safety Policy. Then it presents the methodology of the research, the instrument used and the reporting of the data obtained which shows the inexistence of a strong Safety Climate which may even be classified as weak. The average of the different subscales of the Safety Climate was to be found between 3,48 (Communication for Safety) and 4,33 (Incidents) in Physical Safety and 2,12 (Occupational Stress) and 1,19 (Moral Harassment) in Psychological Safety. Based on the results of the survey we suggest some improvements on internal changes, particularly on the communication, training and information of the workers about the aspects that may influence their safety at work. Finally some recommendations are made to the main actors who intervene in the SHST Policy, the Top-Management, so that they try to harmonize the needs, attitudes and aspirations of the workers with the demands of work and at the same time to promote a strong, positive Safety Climate.
Descrição: Dissertação de Mestrdao em Segurança e Higiene no Trabalho
URI: http://hdl.handle.net/10400.26/4625
Aparece nas colecções:IPS - ESTS - MEDIATECA - Dissertações de mestrado
IPS - ESCE - CDOC - Dissertações de mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Anexos e apéndices.pdf439,83 kBAdobe PDFVer/Abrir
capa imprimir final.pdf402,6 kBAdobe PDFVer/Abrir
Indice imprimir final.pdf270,35 kBAdobe PDFVer/Abrir
Tese Entregar Final.pdf1,69 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.