Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.26/1781
Título: Questionário de avaliação da sobrecarga do cuidador informal - versão reduzida
Autor: Rodrigues, Marta
Palavras-chave: Familiar cuidador
Cuidador informal
Prestador de cuidados
Questionário de avaliação
Data de Defesa: 2011
Resumo: A problemática da sobrecarga do familiar cuidador tem sido objecto de estudo de inúmeros trabalhos de investigação em Portugal. O Questionário de Avaliação da Sobrecarga do Cuidador Informal (QASCI) tem sido utilizado como instrumento de avaliação da sobrecarga física, social, emocional e financeira do cuidador informal em alguns estudos científicos. Contudo, apesar da versatilidade na sua aplicação, o desenvolvimento de uma versão reduzida que preserve as propriedades métricas do mesmo e que mantenha a representação do construto, pode permitir uma maior facilidade na sua aplicação e uma avaliação mais rápida, estando com isso a assegurar uma economia de tempo quer para o investigador quer para o participante no estudo. No actual contexto da prática clínica torna-se imperioso adaptar instrumentos de avaliação em saúde mais concisos que promovam economia de tempo, sem contudo, por em causa a validade e fidelidade dos mesmos. Objectivo: estudar as propriedades métricas de duas versões experimentais do QASCI. Método: o presente estudo teve por base os registos de dois estudos desenvolvidos em contextos diferentes sobre prestadores de cuidados. O primeiro estudo com uma amostra de 334 participantes de cuidadores de pessoas funcionalmente dependentes, teve por objectivo estudar as variáveis explicativas da sobrecarga do cuidador. A segunda amostra conta com 121 participantes de cuidadores e teve por objectivo estudar um programa de intervenção que visou promover o papel de prestador de cuidados. Após eliminação dos registos com respostas omissas, o presente estudo conta com 455 sujeitos. A recolha de informação partiu de um questionário sócio-demográfico, do questionário de avaliação do estado de saúde SF-36, da Escala de Avaliação da Ansiedade e Depressão Hospitalar, do Índice de Barthel e do QASCI. Com base em critérios métricos e clínicos foram conseguidas duas versões experimentais. A Versão Experimental 1 resultou da selecção dos dois itens de cada subescala com maior carga factorial, num total de 14 itens. A Versão Experimental 2 foi conseguida pela aplicação de sete diferentes critérios e pela validação de um grupo de peritos constituído para o efeito, resultando num total em 18 itens. Resultados: o estudo das propriedades métricas das duas versões mostrou que na maioria das análises ambas as versões experimentais se mostraram consistentes e passíveis de ser alternativa à versão longa. Contudo, apenas a Versão Experimental 1 mostrou valores de consistência interna superiores a 0,60 em todas as subescalas (apenas a subescala Satisfação com o Papel e com Familiar apresentou um alfa de Cronbach de 0,59, mas ainda aceitável). Conclusões: a Versão Experimental 1 mostrou ter um comportamento mais robusto à análise efectuada, cumprindo todos os requisitos necessários para ser utilizada na prática clínica e na investigação.
Peer review: no
URI: http://hdl.handle.net/10400.26/1781
Aparece nas colecções:ESEP - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Marta Rodrigues Dissertação de Mestrado Final.pdf1,46 MBAdobe PDFVer/Abrir    Acesso Restrito. Solicitar cópia ao autor!


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.