Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.26/13633
Registo completo
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.authorSoares, José-
dc.contributor.authorJorge, Delmar-
dc.contributor.authorEusébio, Ernesto-
dc.date.accessioned2016-05-20T09:58:42Z-
dc.date.available2016-05-20T09:58:42Z-
dc.date.issued2014-12-31-
dc.identifier.citationSoares, Jorge, Eusébio, 2014pt_PT
dc.identifier.issn0874-8799-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10400.26/13633-
dc.description.abstractAs unidades de alimentação ininterruptas, UPS’s, desempenham na atualidade um papel fundamental na alimentação de cargas críticas nas instalações elétricas. Na cada vez mais premente necessidade de garantir qualidade e continuidade de energia levou a que este tipo de equipamentos se tenha desenvolvido e aperfeiçoado do ponto de vista tecnológico. A alimentação das instalações elétricas proveniente da rede de distribuição de energia contém ou está sujeita a micro interrupções, interrupções, sobretensões, conteúdo harmónico indesejável, não garantindo os níveis exigidos por alguns dos sistemas elétricos atuais colocando em causa a cadeia de valor de muitas empresas. O nível de disponibilidade e qualidade de potência está diretamente relacionado e produz efeitos diretos na continuidade das operações. Fatores como a produtividade, qualidade de produtos e serviços, capacidade concorrencial, segurança de bens e pessoas são imprescindíveis. Os sistemas de UPS’s de elevada potência com unidades de alimentação ligadas em paralelo garantindo redundância no fornecimento de energia às cargas constituem hoje a solução para o tipo de problemas referido. Contudo, a sua inserção nas instalações elétricas obriga a cuidados específicos, nomeadamente no que se refere ao regime de neutro da instalação, o qual condiciona de forma determinante a proteção de circuitos de distribuição e de pessoas. Em Portugal o regime de neutro adotado, de uma forma generalizada, regime de terras separadas (é o regime TT), no qual a proteção de pessoas é assegurada pela colocação de dispositivos de corrente residual diferencial. Solução que no caso das configurações de paralelos redundantes de UPS’s de elevada potência não garante um normal funcionamento destes sistemas concebidos para fundamentalmente funcionarem em regime TN (regime de Terra pelo Neutro). No presente trabalho apresenta-se no caso de estudo uma situação típica de instalação na qual se registam problemas de conflitos de neutro na saída de UPS’s que obrigam à alteração do tipo de dispositivo de proteção nas entradas das máquinas e circuito de bypass. São, ainda, apresentadas propostas de solução.pt_PT
dc.language.isoporpt_PT
dc.publisherEdições ISPGayapt_PT
dc.rightsopenAccesspt_PT
dc.subjectRegimes de Neutro, Proteção de Pessoas, Unidades de Alimentação Ininterruptas, Proteções Diferenciaispt_PT
dc.subjectRegimes de Neutro, Proteção de Pessoas, Unidades de Alimentação Ininterruptas, Proteções Diferenciaispt_PT
dc.titleUNIDADES DE ALIMENTAÇÃO ININTERRUPTAS E OS REGIMES DE NEUTRO – CASO DE ESTUDOpt_PT
dc.typearticlept_PT
degois.publication.firstPage5pt_PT
degois.publication.issue21pt_PT
degois.publication.lastPage29pt_PT
degois.publication.locationVila Nova de Gaiapt_PT
degois.publication.titlePolitécnica Revista Científicapt_PT
dc.peerreviewedyespt_PT
Aparece nas colecções:ISPG - CID - Politécnica

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
1.pdf• Unidades de alimentação ininterruptas e os regimes de neutro – caso de estudo1,19 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.