Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.26/10550
Título: A experiência de solidão num lar de idosos: estudo de caso
Autor: Leitão, Cátia Marisa Pinto
Orientador: Guedes, Joana
Palavras-chave: Envelhecimento
Solidão
Isolamento
Sociabilidades
Lares de idosos
Data de Defesa: 19-Nov-2015
Resumo: É amplamente sabido que as instituições de retaguarda à velhice têm passado por profundas alterações nos seus modos de funcionamento e na sua forma de tratar os que delas necessitam. Porém, grande parte destas continua a não estar totalmente preparada para dar resposta às reais necessidades dos idosos. De facto, estas instituições dão resposta às necessidades básicas do idoso, que até ao momento da institucionalização não eram satisfeitas, ou eram satisfeitas com sérias dificuldades. No entanto, o domínio social do idoso é um aspeto muito descorado. As condições e lógicas de funcionamento e os profissionais que lá trabalham não promovem as relações sociais dos residentes. Os idosos estão rodeados de outras pessoas, com as quais não têm laços de conhecimento, afetivos e afinidades, compartilhando frequentemente o sentimento de solidão. Deste modo o presente trabalho centra-se no estudo de um lar, das condições que proporciona e das suas lógicas de funcionamento, tendentes, ou não, à preservação ou ao reforço das sociabilidades dos idosos, como estratégia de combate à solidão. Neste enquadramento, objetivou-se diagnosticar quais as características dos idosos que sentem solidão e perceber se as práticas institucionais acentuam ou contrariam esse sentimento. Para tal, realizou-se um cruzamento de instrumentos de recolha de dados quantitativos e qualitativos. Aplicaram-se um questionário sobre dados sociodemográficos, os Índices de Barthel e de Lawton e a Escala de Solidão da Ucla – ULS-6. Do mesmo modo, recorrendo a um plano de observação, teoricamente sustentado, observou-se o quotidiano institucional ao longo de vários meses. Os resultados quantitativos indicam não há uma relação de dependência entre a solidão e a idade e que não existe uma diferença estatisticamente significativa entre os valores da solidão de acordo com o género, o estado civil e a escolaridade dos indivíduos da amostra. Por seu turno, existe uma relação estatisticamente significativa entre a solidão e a funcionalidade expressa pelo índice de Lawton. Em relação aos resultados qualitativos, a nossa análise não nos permite concluir que as condições e lógicas de funcionamento da instituição determinam por si só a experiência de solidão. No entanto, autoriza-nos concluir que, o risco de morte social cresce à medida que a dependência aumenta, sendo que as práticas e as lógicas de funcionamento institucionais desempenham um papel preponderante.
URI: http://hdl.handle.net/10400.26/10550
Aparece nas colecções:ISSSP - Dissertações de mestrado em Gerontologia Social

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Cátia Marisa Pinto Leitão.pdf1,01 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.